sábado, 8 de março de 2014

Conhecendo o Sobrenatural


Casa Assombrada: Tudo que fazemos gera energia como sexo,
partos, festas, brigas, assassinatos, toda energia se impregna no ambiente, ao passar dos anos a energia forma uma egregora (energia agregada).
Essa egregora pode ser boa, má ou neutra, o local pode apenas estar esperando por “acontecimentos” que gerem energia para se “definirem” como sendo boas ou más.
Sim uma egregora pode ser mudada, mas no geral demora quase o mesmo tempo que demorou para se formar, exemplo disso é um local que por 50 anos foi um abatedouro, vai demorar mais 50 anos para a egregora do local mudar para melhor.
Porem a certos locais que são profundamente ligados a uma egregora e que um simples bruxo não conseguiria “resolver” sozinho, ou até um coven inteiro.
Pode ter ocorrido uma guerra entre duas tribos indígenas onde dezenas morreram exatamente no terreno de sua casa, um escravo fugitivo pode ter sido executado, são coisas que nós nem desconfiamos, mas seus atos estão marcados nesse solo.
Ao longo das décadas e séculos o local tende a repetir os mesmos acontecimentos bons ou ruins, sendo que imagens de assassinatos brutais e lembranças de dor e sofrimento estão guardadas em sua egregora, produzindo todo o tipo de efeito paranormal sem ser obra de nenhuma entidade.

Poltergeist: É um “espírito barulhento” (do alemão polter, que
significa ruído, e geist que significa espírito). A típica assombração que não faz mau, mas deixa todos arrepiados, as vezes um Poltergeist é excesso de energia da própria casa e não tem nenhuma entidade por trás dos acontecimentos.

“Paranormal”: Uma pessoa geralmente mulher grávida ou que acabou de entrar na puberdade ou que teve um grande stress gera energia que unida a energia da casa produz manifestações sobrenaturais e manifestações de todo o tipo, as vezes o morador da casa é o próprio Poltergeist.

Fantasma: Espírito de um morto podendo ser amigo, inimigo ou
ancestral (parente dos moradores da casa), e ate um animal de estimação, mas é raro ser um animal. Lembrando que para um fantasma se manter nesse plano ele precisa absorver a energia dos vivos os sinais disso são pessoas se sentindo muito cansadas, desmotivadas e abatidas sem motivo aparente, plantas secando e morrendo, frutas apodrecendo depressa.
Um amigo pode estar sugando suas energias, um parente falecido que não quer abandonar a família pode estar lhe perseguindo, talvez um morador antigo da casa irritado com sua presença.

Monstro: Setes monstruosos verdadeiros são extremante raros,
muitas vezes os monstros são confundidos com demônios ou alienígenas por causa de sua aparência, mas é possível que seja um espírito zombeteiro ou um espírito zangado se passando por monstro para assustar uma pessoa.

Guardião ou Entidade: Podendo ser uma espécie de Deus, que protege um lugar geralmente sagrado, não tem motivos para se ter medo dele, a menos que por algum motivo você queira prejudicar o guardião ou o lugar em que ele protege.

Muitos monstros, seres mitológicos, folclóricos, alienígenas e dragões na verdade são guardiões, alguns protegem uma pessoa ou família ou grupo, podendo ter sido criados pelo divino Deus Pai/Mãe ou por um Bruxo/Mago poderoso.   

Espírito Obsessor e Zombeteiro: Um obsessor é aquele ganancioso que deseja tanto algo ao ponto de passar por cima dos outros, apegado a matéria, viciado, rebelde e revoltado, esse tipo de pessoa se torna um espírito obsessor ao morrer e eventualmente assombra uma pessoa ou uma casa, ate mesmo uma familia por gerações.

As vezes o fantasma que vemos é a manifestação subconsciente de uma pessoa viva chamada Poltergeist, as vezes a casa esta mostrando suas memórias, e em alguns momentos realmente a pessoa fantasma que vemos é realmente a pessoa que conhecemos.
Muitas vezes um espírito obsessor toma a forma de uma pessoa que conhecemos como famosos, figuras históricas e parentes queridos a fim de brincar com nossos sentimentos.
Muitos desses fantasmas fingem ser etes, demônios, anjos, santos, com o propósito de nos enganar, os que enganam, trapaceiam e mentem são chamados de zombeteiros, espíritos maldosos que fazem brincadeiras cruéis.
Um bom exemplo desse tipo de espírito zombeteiro é o próprio saci pere, mas agora vem a pergunta:

Porque a egregora enfatiza o mau, porque não somos “assombrados” por coisas boas?   


Talvez seja porque uma morte em especial as violentas, geram muito mais energia do que qualquer outro tipo de acontecimento. Isso sem falar que espíritos evoluídos, pessoas realmente boas, mestres e anjos, não perdem tempo com coisas materiais e não são apegados a pessoas ou lugares, eles amam e ajudam, mas é bem diferente do apego dos obsessores.


Retirado do Livro: 
O APRENDIZ E A SENHORA DA LUA NEGRA
Por: Marcus Vinicius Góes Soares