quarta-feira, 4 de julho de 2018

Rapidez, Vultos e Presenças no Ritual de Inverno o Yule


Atenção: Relato Tirado do meu Grimório de 2018. 

O que me chamou mais atenção nesse ritual foi o dinamismo, a velocidade, ele demorou 30 minutos, para um ritual que eu considero grande e complexo, 30 minutos é muito rápido, normalmente um ritual assim dura uma hora a uma hora e meia, é como se eu tivesse passado uma hora dentro do ritual e no mundo mundano só meia hora se passou.
Acredito que isso é por causa que eu faço a mesma formula de ritualística a muito tempo, talvez seja um sinal de que eu tenha que mudar, ou será que em time que esta dando certo não se muda, o ritual foi bom, só foi estranhamente rápido. 
Escrevo isso horas depois do final e estou vendo pequenos vultos pela minha casa, aqui tem vários seres elementais, não consigo os ver claramente, só rastros, eles estão me observando, graças aos Deuses que eles não são perigosos, esse fenômeno já havia acontecido depois de outros rituais antes.
Antes do ritual começar eu senti uma forte presença me observando, quando eu fiz as invocações senti um equilíbrio e uma paz maior.
Ofereci pinhão e pão de queijo coisas que eu como com frequência no inverno, coisas que eu não ofereço com frequência, além de chocolate quente, vinho e nozes, coloquei uma pinha para representar o inverno, acendi quatro velas azuis, pois para mim elas representam a água, o inverno, o frio que são coisas que representam essa época e que eu quero na minha vida, a toalha do altar foi verde musgo.  

Por: Marcus Vinicius Góes Soares

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Minha Experiencia no Samhain de 2018



ATENÇÃO: Esse relato saiu direto do meu Grimório. 

Fiz essa celebração no dia 2 de Maio, no dia 1 de Maio eu estava me sentindo meio indisposto, para mim vale mais “sentir o momento”, do que de fato “ser a data certa”.
Coloquei um monte de balas, doces, pirulitos e chicletes além de jujubas como oferenda aos ancestrais além de bolo de banana, ofereci vinho ao meu amigo dragão, nozes aos Cavaleiros do Passado.
Também coloquei o meu “Baralho Wicca” para impregnar mais ainda com as energias.
No auge do ritual eu senti que deveria invocar Hécate e Cernunnos, então eu o fiz, eu cantei, dancei, rodopiei, fiquei feliz e me senti livre, eu usei mais a visualização para imaginar os seres mágicos ao meu redor do que nunca na minha vida, isso fez o meu ritual ser mais poderoso do que deveria ser.
Eu pedi uma mensagem aos ancestrais e eles me responderam com uma única palavra “Amor”.
Não sei qual espirito me enviou isso, mas me sinto amado, sinto que estou no caminho correto.

Por: Marcus Vinicius Góes Soares 





quarta-feira, 30 de maio de 2018

Ritual para Hécate


Eu Criei esse Ritual que é parecido com os de outras tradições voltadas para Hécate, já que esses rituais tem as mesmas bases. Eu o fiz varias vezes e sempre senti a presença da Deusa Hécate, sempre senti que ela gostou.

Recomendações: Faça na noite de Lua Nova ou Lua Cheia, ou dia 13 de Agosto Dia de Hécate
Se purifique antes do começo do ritual, limpe o local do ritual e o purifique, monte o altar com as oferendas, se não tem dinheiro para comprar uma estatua de Hécate imprima uma imagem da Deusa, use tecidos pretos para forrar o altar.  

Por: Marcus Vinicius Góes Soares


1 – Chamando por Hécate: Erga os Braços diante do altar e diga:

Hécate Deusa Triplice, do sub mundo, dos Caminhos da Terra e da Lua, Hécate Deusa da Magia, Hécate Deusa dos Mistérios, do mar e da maternidade, Deusa Hécate ouça o meu chamado e por favor, venha a mim, venha a esse ritual.


2 – Oferendas: Para Cada Oferenda diga, se estiver em um prato o levante com as duas mãos, se estiver em um cálice erga o cálice.

Deusa Hécate, eu humildemente ofereço *******, Deusa Hécate, por favor, aceite essa oferenda.

Oferendas Recomendadas: Incenso, vinho tinto, alho, cebolas, ovos, bolo e pão feitos por você, velas pretas.

4 – Despertando seus Dons: Coloque o dedo médio e indicador sobre o terceiro olho (entre as sobrancelhas) e fazendo círculos estimulando o local fale.

Deusa Hécate, por favor, Desperte os meus dons espirituais, Desperte dos meus dons mentais, Desperte os meus dons mágicos, Desperte o meu poder, e que tudo que eu faça seja impregnado de magia e poder.

Se tiver um pedido, fazer outra oração, dançar, rodopiar, cantar, ler o tarot, faça agora.

5 – Agradecimento e Termino: Erga os Braços

Deusa Hécate, obrigado por sua presença e ajuda, Hécate esse ritual terminou.
O que deveria ter sido feito, esta feito, que assim seja e assim se faça.


Por: Marcus Vinicius Góes Soares



Curta Tambem: Esse é Alguem na Bruxaria

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Respondendo a Algumas Perguntas sobre a Egrégora dos Cavaleiros



Quem são os Cavaleiros?

“Cavaleiros do Passado” é uma forma genérica de me referir a uma egrégora gigantesca e variadíssima que conta com uma miríade enorme de Cavaleiros, guerreiros, soldados, gladiadores, sentinelas, guardas e etc.
Eles são espíritos de pessoas que morreram e também seres do plano astral baseada em lendas e historias que podem ou não ser baseadas em fatos.
Um exemplo disso são os Cavaleiros da Távola Redonda (que podem ter existido ou não) e os Cavaleiros Templários.

Eles são Templários?

Sim e Não ao mesmo tempo, em meus rituais eu chamo os Cavaleiros de uma forma “genérica”, então se um Templário quiser vir e me ajudar eles estarão livre para isso.

Para que eles Servem?

Proteção de vários tipos diferentes, guiam em nossas vidas tanto matérias quanto espirituais, ajudam em problemas, orientação, coragem, bravura, eles afastam pessoas ruins de perto de nós.
Eles também servem para atacar e ferir seus inimigos, mas nunca fiz nenhuma magia com eles para esse fim.

Eles te deram algum resultado real?

Eles me guiaram dando ensinamentos, me inspiraram de várias formas diferentes, me protegeram de várias formas e tantas outras coisas e sinto que isso é só o começo.
Sinto que eles tem um plano para mim, mas quase todo religioso acredita que Deus tem um plano para ele isso faz com que as pessoas se sintam especiais.
Mas os Cavaleiros quando atraídos são bem mais ativos do que outros espíritos.


Como trabalhar com eles?

Entrando para uma Ordem de Cavalaria Mística, ou faça o mesmo que eu faço, monte um pequeno altar para eles mesmo que seja temporário, faça algumas orações e oferendas, seja sincero.

Eu aprendi com eles mais do que com qualquer outra egrégora é que “semelhante atrai semelhante”, se você fizer uma coisa simples, pura e boa, vai atrair Cavaleiros com a energia semelhante, se fizer algo cheio de intenções ruins, com medo e de “qualquer jeito” vai atrair Cavaleiros iguais. Então tome cuidado!

Relato tirado direto do meu Grimório: Ritual dos Cavaleiros de 08/05/2018

Eu fiz uma oferenda mais simples dessa vez, pão, cerveja, uma vela prata e um incenso, coloquei uma monte de flores brancas de cinco pétalas cada, elas não tinham um cheiro bom e eram pequenas, mas ajudou a enfeitar bastante o altar mais do que na vez anterior, coloquei quatro facas grandes de cozinha, aquelas tradicionais “peixeiras”, eu as coloquei em forma de triangulo duplo para cima com as laminas apontando para fora, para dentro seria como se elas cortassem a vela.
O símbolo que criei com as peixeiras é um símbolo muito usado em vários exércitos pelo mundo, ele representa a alta patente militar e a força masculina.
As quatro facas, o punhal e mais uma pequeno amuleto em forma de espada ajudaram a atrair a energia masculina e um pouco “agressiva” dos Cavaleiros, nesse ritual eu usei mais do que o anterior a minha imaginação para visualizar um Cavaleiro ao meu lado, o momento mais interessante do ritual foi quando eu acendi o incenso na vela, eu ouvi uma das laminas tremendo sozinha, mas eu nem toquei no altar, não a como ela tremer sozinha, acredito que foi a energia emanando dela ou entrando nela.

Estou apaixonado pela egrégora dos Cavaleiros!

PS: A Vela prata ficou mais de cinco horas acesa, não me lembro de uma vela como essa ter ficado acesa por tanto tempo.

Por: Marcus Vinicius Góes Soares 



Curta Tambem: Esse é Alguem na Bruxaria

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Um Desabafo sobre Deus


A Grande Maioria das minhas magias ao longo desses 13 anos de Wicca foram feitas a noite, mas muitas magias e rituais solitários e em grupo eu fiz de dia, principalmente em parques públicos.
O Dia e a Noite tem energias diferentes isso é obvio para muita gente, para vocês que sempre fazem suas magias com a energia da lua já experimentaram fazer algumas magias durante o dia?
O resultado será diferente!
Rituais feitos com energias diferentes geram resultados diferentes, nada é igual.
O sol é a pura luz e clareza, riqueza e sucesso, ele é quem traz a prosperidade, o calor, a vitória e a verdade.
Nas ultimas magias eu trabalhei bastante a energia do sol, a energia do Deus Sol, ele que nos ilumina todos os dias de graça sem pedir nada em troca, ele que faz as plantas crescerem, que ilumina os nossos caminhos.
Deus não nos odeia, não nos puni, Deus é Pai!

Deus não é exclusivo do cristianismo, apesar de ser o seu Deus único.
Eu reconheço a importância da Deusa e do Deus, luz e trevas, dia e noite, masculino e feminino, pai e mãe, precisamos de equilíbrio e é isso que falta para muita gente.
Deus não é um ser sem importância, Deus não é um consorte, ele tem muito poder e importância, Deus não só uma vela encima do altar, precisamos mais de Deus, de luz de equilíbrio em nossas vidas.
Para você Deus pode ter o nome e o rosto que desejar, você é livre para acreditar ou não.

Eu desejo a todos mais equilíbrio em suas vidas!
Eu desejo a todos luz, paz, esclarecimento e sucesso!


Por: Marcus Vinicius Góes Soares 



Curta Tambem: Esse é Alguem na Bruxaria

sexta-feira, 30 de março de 2018

Wicca a Religião da Natureza


Você já deve ter ouvido falar que a Wicca é a Religião da Natureza.
Gosto do ensinamento que diz que a Wicca é a Religião do amor e da liberdade, liberdade de crenças e praticas e amor pela natureza. 
Pois a natureza é a casa dos deuses, a natureza é a casa de espíritos mais simples que chamamos de elementais.
Os sabás e outras celebrações pagãs são baseados nos ciclos da natureza, são nessas datas de celebração que estão os alicerces do poder.
Muitos de nossos rituais tem como objetivo conectar o bruxo as forças da natureza.

Nossos ancestrais pagãos faziam suas celebrações sagradas no campo e em florestas.
E enquanto eu fazia esse vídeo eu percebi o meu próprio distanciamento da natureza, faz tempo que não vou a nenhum parque.
Faz algum tempo que fiz uma pesquisa na minha pagina no Facebook a "Esse é Alguém na Bruxaria".
E Nessa pesquisa constatei que a grande maioria dos pagãos brasileiros não vão com frequência na natureza.
Em parte a culpa disso é do preconceito que nós pagãos sofremos, não podemos fazer um ritual em um parque publico sem correr o risco de sofrermos uma agressão física ou verbal.
Então recomendo a você que vá a um local onde tenha natureza e tente ficar alguns minutos lá, lendo um livro, comendo alguma coisa, tente meditar, abraçar uma arvore, faça uma oração aos deuses, sinta a natureza a sua volta.

Por: Marcus Vinicius Góes Soares 




Curta Tambem: Esse é Alguem na Bruxaria

quarta-feira, 21 de março de 2018

Minha Experiência no Ritual do Outono e o Ensinamento que Recebi

ATENÇÃO: Esse relato saiu direto do meu Grimório. 

Ontem dia 20/03/2018 eu celebrei o sabá Wicca de Mabon, o equinócio de Outono, foi mais rápido do que eu esperava, durou quase uma hora, montei o altar de uma forma um pouco diferente, eu ia no meu quintal e pegar várias folhas das arvores para forrar a altar e assim simbolizar as folhas que caem na época do Outono, me ajudando a me ligar mais a natureza já que eu faço meus rituais dentro de um quarto fechado e raramente vou em um local em que tenha natureza.
Porem choveu muito e senti que isso era uma mensagem do divino para que eu não arrancasse as folhas das arvores, mas ainda sim eu peguei um ramo de alecrim e o fervi para fazer um bom banho de purificação, como de costume eu sempre limpo o local antes de montar o altar, e tomo um banho antes de fazer o tradicional banho de purificação.

Fiquei vestido de céu como de costume e coloquei apenas quatro velas no altar, duas marrons, uma para Hécate e outra para Perséfone, eu não venero Perséfone, mas senti que deveria acender uma vela para ela, eu senti muito mais energia vindo da vela de Perséfone do que das outras, e acendi uma vela verde para o Deus Cernunnos, é a primeira vez que ofereço uma vela ou qualquer tipo de oferenda para Cernunnos apesar de fazer algum tempo que rezo para ele e Cernunnos me ajudou a revelar qual é o meu animal Totem e por fim acendi uma tradicional vela prata para os Cavaleiros do Passado.   

Para quem lê isso deve imaginar que eu faço uma grande Salada Mística, pois trabalho com varias egrégoras diferentes, Deuses e Deusas de Panteões diferentes, porem é isso que eu sinto que devo fazer e eu prefiro seguir os meus instintos, me sinto bem fazendo isso.
No meu altar eu coloquei dois pratos com frutas, pois eu não tenho uma cornucópia que seria um objeto mais tradicional para o sabá de Mabon, coloquei no prato, batata, banana, várias maças, olho e cebola e tomate, coloquei um prático com nozes e outro com pão integral, em uma taça eu coloquei meu vinho para o ritual de bolos e vinhos, e outra taça com suco de abacate, pois eu senti muito que deveria colocar esse elemento inédito em um ritual. 
Durante o ritual eu bebi o suco de abacate e o vinho e também comi algumas nozes, e isso foi o bastante para acabar com a minha fome, fiquei sem sentir fome por horas depois do ritual, aquele pouco alimento me sustentou e olha que eu estava a horas sem comer antes do ritual.
Eu coloquei encima do altar além do sal grosso usado para purificar a mesa, folhas de louro secas e folhas de alecrim seco para me unir a natureza e energizar o ritual já que as folhas de louro podem ser usadas para a prosperidade e desejos e o alecrim é usado para purificação, e é claro um monte de pedras e cristais diferentes para me ajudar a me conectar ainda mais com as energias da natureza.
A energia que regeu esse ritual foi o da gratidão, agradeci muito aos Deuses e elementais pela prosperidade que tem na minha casa e na minha vida.
Eu recebi um ensinamento durante o auge do Mabon, não sei quem me enviou esse ensinamento, não sei se foi um Deus ou Deusa, elemental, dragão ou Cavaleiro do Passado, ele é bem clichê, mas é pela mensagem que a gente conhece o mensageiro.

Mensagem: O que temos devemos dividir com aqueles que não tem, seja comida ou conhecimento.

Que esse ensinamento ajude outros!



Por: Marcus Vinicius Góes Soares

Clique aqui e Leia sobre o Sabá de Mabon o Outono