sexta-feira, 30 de março de 2018

Wicca a Religião da Natureza


Você já deve ter ouvido falar que a Wicca é a Religião da Natureza.
Gosto do ensinamento que diz que a Wicca é a Religião do amor e da liberdade, liberdade de crenças e praticas e amor pela natureza. 
Pois a natureza é a casa dos deuses, a natureza é a casa de espíritos mais simples que chamamos de elementais.
Os sabás e outras celebrações pagãs são baseados nos ciclos da natureza, são nessas datas de celebração que estão os alicerces do poder.
Muitos de nossos rituais tem como objetivo conectar o bruxo as forças da natureza.

Nossos ancestrais pagãos faziam suas celebrações sagradas no campo e em florestas.
E enquanto eu fazia esse vídeo eu percebi o meu próprio distanciamento da natureza, faz tempo que não vou a nenhum parque.
Faz algum tempo que fiz uma pesquisa na minha pagina no Facebook a "Esse é Alguém na Bruxaria".
E Nessa pesquisa constatei que a grande maioria dos pagãos brasileiros não vão com frequência na natureza.
Em parte a culpa disso é do preconceito que nós pagãos sofremos, não podemos fazer um ritual em um parque publico sem correr o risco de sofrermos uma agressão física ou verbal.
Então recomendo a você que vá a um local onde tenha natureza e tente ficar alguns minutos lá, lendo um livro, comendo alguma coisa, tente meditar, abraçar uma arvore, faça uma oração aos deuses, sinta a natureza a sua volta.

Por: Marcus Vinicius Góes Soares 




Curta Tambem: Esse é Alguem na Bruxaria

quarta-feira, 21 de março de 2018

Minha Experiência no Ritual do Outono e o Ensinamento que Recebi

ATENÇÃO: Esse relato saiu direto do meu Grimório. 

Ontem dia 20/03/2018 eu celebrei o sabá Wicca de Mabon, o equinócio de Outono, foi mais rápido do que eu esperava, durou quase uma hora, montei o altar de uma forma um pouco diferente, eu ia no meu quintal e pegar várias folhas das arvores para forrar a altar e assim simbolizar as folhas que caem na época do Outono, me ajudando a me ligar mais a natureza já que eu faço meus rituais dentro de um quarto fechado e raramente vou em um local em que tenha natureza.
Porem choveu muito e senti que isso era uma mensagem do divino para que eu não arrancasse as folhas das arvores, mas ainda sim eu peguei um ramo de alecrim e o fervi para fazer um bom banho de purificação, como de costume eu sempre limpo o local antes de montar o altar, e tomo um banho antes de fazer o tradicional banho de purificação.

Fiquei vestido de céu como de costume e coloquei apenas quatro velas no altar, duas marrons, uma para Hécate e outra para Perséfone, eu não venero Perséfone, mas senti que deveria acender uma vela para ela, eu senti muito mais energia vindo da vela de Perséfone do que das outras, e acendi uma vela verde para o Deus Cernunnos, é a primeira vez que ofereço uma vela ou qualquer tipo de oferenda para Cernunnos apesar de fazer algum tempo que rezo para ele e Cernunnos me ajudou a revelar qual é o meu animal Totem e por fim acendi uma tradicional vela prata para os Cavaleiros do Passado.   

Para quem lê isso deve imaginar que eu faço uma grande Salada Mística, pois trabalho com varias egrégoras diferentes, Deuses e Deusas de Panteões diferentes, porem é isso que eu sinto que devo fazer e eu prefiro seguir os meus instintos, me sinto bem fazendo isso.
No meu altar eu coloquei dois pratos com frutas, pois eu não tenho uma cornucópia que seria um objeto mais tradicional para o sabá de Mabon, coloquei no prato, batata, banana, várias maças, olho e cebola e tomate, coloquei um prático com nozes e outro com pão integral, em uma taça eu coloquei meu vinho para o ritual de bolos e vinhos, e outra taça com suco de abacate, pois eu senti muito que deveria colocar esse elemento inédito em um ritual. 
Durante o ritual eu bebi o suco de abacate e o vinho e também comi algumas nozes, e isso foi o bastante para acabar com a minha fome, fiquei sem sentir fome por horas depois do ritual, aquele pouco alimento me sustentou e olha que eu estava a horas sem comer antes do ritual.
Eu coloquei encima do altar além do sal grosso usado para purificar a mesa, folhas de louro secas e folhas de alecrim seco para me unir a natureza e energizar o ritual já que as folhas de louro podem ser usadas para a prosperidade e desejos e o alecrim é usado para purificação, e é claro um monte de pedras e cristais diferentes para me ajudar a me conectar ainda mais com as energias da natureza.
A energia que regeu esse ritual foi o da gratidão, agradeci muito aos Deuses e elementais pela prosperidade que tem na minha casa e na minha vida.
Eu recebi um ensinamento durante o auge do Mabon, não sei quem me enviou esse ensinamento, não sei se foi um Deus ou Deusa, elemental, dragão ou Cavaleiro do Passado, ele é bem clichê, mas é pela mensagem que a gente conhece o mensageiro.

Mensagem: O que temos devemos dividir com aqueles que não tem, seja comida ou conhecimento.

Que esse ensinamento ajude outros!



Por: Marcus Vinicius Góes Soares

Clique aqui e Leia sobre o Sabá de Mabon o Outono 

quinta-feira, 15 de março de 2018

Magia da Fita do Desejo

ATENÇÃO: Essa é uma magia simples que eu fiz na virada do ano e ensinei aqui no blog e estou re postando.

Faça essa magia na Lua Cheia a noite!

Material: Fita Colorida 50 cm. E Uma vela da mesma cor que a fita.

Escreva na vela o foco do seu desejo, só uma unica palavra chave de cima para baixo, pode ser dinheiro, namorado, viagem, segurança, saudê, emagrecimento, felicidade, atração.

Pegue uma fita grossa o bastante para que você consiga escrever nela, é importante que a fita nunca tenha sido usada e tenha a cor que combine com o seu desejo, e também uma vela da mesma cor que a fita, se não encontrar uma fita da cor desejada, use uma branca.

Escreva na fita “Agora eu tenho ***” OU “agora eu estou ***”

Pode escrever qualquer adjetivo ou coisa física, como por exemplo, “Agora eu tenho um carro novo”, “Agora eu tenho 10 mil reais para usar como eu quiser”, “Eu estou namorando”, “Estou viajando para o Rio de Janeiro”. 
Depois disso de 3 nós na fita.

Segure a fita e mentalize o que esta escrito nela. Imagine que o seu desejo esta acontecendo, que você esta sentindo seu desejo se realizando.

O que você pensa atrai, o que você sente acontece. 

Depois queime a fita na vela, repito é importante que a vela tenha a mesma cor que a fita, depois deixe a vela queimar até o final.
Se você tiver um altar, deixe a vela encima do altar.


Significado Básico das Cores:

Amarelo: Alegria, Felicidade, Amizade e Sucesso.
Azul: Calma, Justiça e honestidade.
Branco: Paz, clareza, limpeza.
Cinza: Experiência.
Marrom: Estabilidade e Firmeza.
Rosa: Amor e Carinho.
Roxo: Espiritualidade, transformação.
Verde: Natureza, Saúde.
Vermelho: Paixão, Sexo.
Preto: Retidão, Negatividade, Aterramento.  

Por: Marcus Vinicius Góes Soares

quarta-feira, 7 de março de 2018

Minha Experiência com a Egrégora dos Cavaleiros


Esse Relato saiu direto do meu Grimório: 

Ontem dia 06/03/2018 eu Fiz um Pequeno e Rápido Ritual para os Cavaleiros do Passado fazendo oferendas para eles, para obter sua amizade, quem me conhece sabe que eu trabalho com varias egrégoras diferentes e os Cavaleiros são uma delas.
Comecei as 23:00 e durou uns 15 minutos, fora os 15 minutos que levei arrumando as coisas.
Antes do ritual tomei um longo banho, seguido por um banho de purificação com alecrim, fazia umas três semanas que eu não fazia nenhuma purificação ou ritual.
Foi o primeiro ritual que de fato os Cavaleiros do Passado foram o foco de um ritual, dês de 2013 quando comecei a trabalhar com a egrégora dos Cavaleiros eu sempre os chamei em meus rituais junto com os dragões, elementais, Deuses, ancestrais, eu nunca havia feito um só para eles, sinto que eles gostaram da atenção especial.
Ofereci como oferenda nozes, bolo de banana, vinho tinto, cerveja, pão integral, e frutas, alem de uma tradicional vela prata e um incenso de Mirra.


O que eu Aprendi e Senti e Uma reflexão sobre o Ateísmo:

Como foi rápido, senti muita pureza, honestidade e simplicidade, emanando de mim e deles também, não esperava por isso, senti que eles estavam me ouvindo, me sentindo, e ser ouvido por uma entidade já é uma grande coisa.
Muitos Ateus e Céticos não acreditam em Deus ou qualquer coisa do gênero espiritual, pois eles não sentem que tenha uma entidade/divindade ouvindo suas orações, eles sentem como se estivessem rezando para o nada, rezando para o vazio.
Eu confesso que muitas vezes eu senti a mesma coisa ao longo dos anos, muitas vezes eu duvidei do divino, minha fé não é inabalável, muito longe disso.
Se a pessoa não sente, ela não acredita.
E eu não culpo ninguém por isso.
Não devemos julgar a vida dos outros ou o que eles aprenderam com suas experiências.
Eu senti varias vezes que estava sendo ouvido, observado, senti a presença e até já vi vultos e sons que eu não podia explicar, não só nesse ritual como em vários outros, por isso eu acredito na magia e no mundo espiritual.
Não me sinto mais especial, e nem melhor do que os outros, sou apenas diferente, e vou seguir meus instintos e continuar sendo diferente.
Eu sou um Cavaleiro Místico, um Cavaleiro Moderno.

Por: Marcus Vinicius Góes Soares  




Curta Tambem: Esse é Alguem na Bruxaria